Guia Manhuaçu

Geral

31/01/2020

Criança arrastada pela chuva de Alto Jequitibá se recupera no hospital

REDAÇÃO - "A partir da hora que percebemos que tudo tinha acabado, pedimos a Deus que nos devolvesse pelo menos um e que nos desse a dignidade de poder enterrar nossos filhos, que eles não sumissem na lama. Então Deus salvou um e nos devolveu dois para velarmos". O relato triste é de uma mãe que viu seus três filhos serem arrastados após uma tromba d'água na cidade de Alto Jequitibá, na Zona da Mata.

A tragédia começou quando uma chuva forte atingiu Minas Gerais, na última sexta-feira (24), e encheu o rio da cidade arrastando a família de Laureana Fagundes da Silva durante a noite daquele dia. Ela, o marido, e os três filhos estavam em casa quando foram levados pela correnteza com a força da água. As crianças mais novas, Isadora Fagundes Salim, de 1 anos e 10 meses e  Eduardo Fagundes Salim, de 7 anos, não resistiram e morreram.

"Tentei salvar a Isa (Isadora Salim), mas ela estava presa debaixo d'água. Estávamos prensados, tinha algo a frente e atrás nos prensando. O Vitor (João Vitor Salim) parece que foi para o outro lado. O Dudu (Eduardo Salim) passou por mim muito rápido, conversou comigo e disse que tinha algo puxando a roupa dele.  Eu o abracei, dei um beijo e disse que o amava. Nessa hora o que estava nos prendendo soltou e fomos arrastados outra vez. Passou pela minha cabeça que eu estava perdendo meus filhos e que eu também ia morrer", lamentou Laureana.

Ela e o marido sobreviveram, o filho mais velho João Vitor Salim, de 11 anos, segurou a uma cerca e também conseguiu sobreviver. Ele foi resgatado por um tio dele.

"A gente foi jogado um em cima do outro, ai o Zé (marido da Laureana) me segurou, fomos arrastados para um aterro e seguramos a um coqueiro. Depois de ficar horas gritando por ajuda, a gente não conseguia localizar as crianças.", contou a mulher que complementou que a situação foi uma cena de terror muito grande. "Nunca senti tanta dor e medo de ser arrastada pela água. é muito injusto", complementou.

Para tentar superar um pouco a dor de perder os dois filhos, Laureana se apega com Deus. "O que me consola um pouquinho é imaginar que Isa estava dormindo e morreu dormindo e Dudu espero que tenha batido a cabeça e não tenha sofrido. Eu acredito em Deus e Deus não deixa anjos sofrerem muito. Eu creio".

João Vitor se recupera

Com a ajuda de familiares João Vitor foi retirado das águas e encaminhado a um hospital na região. Depois ele foi transferido para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, em Belo Horizonte onde passou a se recuperar bem.

"Graças a Deus ele está se recuperando firme e forte, passeando no hospital e dando uma arejada", disse Laureana. Além da dor de perder dois filhos, a família perdeu sua casa, os móveis e todos seus pertences com a enxurrada.

Natália Oliveira / Jornal O Tempo