Guia Manhuaçu

Polícia

17/10/2019

Polícia Civil prende dois suspeitos do latrocínio do taxista Carlinhos

REDAÇÃO - A Polícia Civil da Delegacia Regional de Manhuaçu prendeu nesta quinta-feira, 17/10, Gabriel Vicente da Silva (25 anos) e Edis Pereira Albino (29 anos). Eles são suspeitos da morte do taxista Carlos Vicente Gonçalves, o Carlinhos, de Manhumirim.

Servidor público aposentado da prefeitura de Manhumirim, Carlinhos tinha 70 anos e trabalhava como taxista. No dia 13 de setembro, populares acionaram o Corpo de Bombeiros por conta de um carro incendiado na região da Cachoeira Chata, próximo à BR-262 (entre Manhuaçu e Realeza).

Investigadores da Polícia Civil identificaram o carro destruído pelo fogo como o Fiat Uno, placa HOD 1187, do taxista, que estava desaparecido há quase 24 horas. Foram localizados restos mínimos de um corpo carbonizado no banco traseiro.

Familiares da vítima reconheceram o relógio e o chaveiro com as chaves que abriam sua residência, confirmando ser a vítima Carlos Vicente Gonçalves. Exame de DNA foi requisitado para identificação definitiva da vítima.

Com a sequência das investigações, a Polícia Civil identificou os suspeitos e o Delegado de Polícia que preside o Inquérito Policial representou pela prisão temporária. Os mandados foram cumpridos nesta quinta-feira. Gabriel foi preso em Caratinga e Edis em Vilanova, distrito de Manhuaçu.

Durante as diligências, foi encontrado um veículo roubado de outro taxista em julho deste ano em Entre Folhas.

Os investigados foram conduzidos para a Delegacia Regional da PCMG em Manhuaçu para serem interrogados.

Na delegacia de Polícia Civil, o suspeito Edis Pereira confessou o crime e a morte de Carlinhos. O taxista morreu em razão do roubo. Os dois temiam serem reconhecidos pela vítima. Edis também confessou o crime em Entre Folhas.

As investigações seguirão para identificar novas vítimas e crimes praticados pelos investigados, além de reunir mais provas e detalhes do crime que vitimou Carlinhos.

O Delegado Dr. Carlos Roberto destaca que a Polícia Civil trabalha para apurar o envolvimento dos investigados em outros crimes. “Estamos contando com a possibilidade de novas vítimas reconhecerem os suspeitos. As vítimas devem fazer imediato contato com uma delegacia de Polícia Civil mais próximas para serem tomadas as providências cabíveis".

Redação do Portal Caparaó - com informações da Polícia Civil