Guia Manhuaçu

Polícia

20/08/2019

Polícia Civil desmonta quadrilha que atuava em roubos de café na região

INHAPIM, CARATINGA E SIMONÉSIA (MG) - Equipes da Polícia Civil de Inhapim e Caratinga prenderam, em Simonésia, cinco pessoas na sexta-feira (16) acusadas de roubo e extorsão em Inhapim. Lionaldo de Sales Prazer, Josimar Marcelino Braga, Weledir Oliveira Silva, Ronivaldo José de Oliveira, conhecido como “Amarelo”, e Rosana Patrício Souza de Carvalho foram conduzidos à delegacia por um crime praticado no dia 8 deste mês.

A carga de café a granel avaliada em R$ 100 mil foi recuperada na zona rural de Simonésia, durante uma operação policial realizada pela Polícia Civil, por meio da 2ª Delegacia Regional de Caratinga e da 14ª Delegacia de Polícia de Inhapim, nesta última sexta-feira (16/08). Quatro homens, além de uma mulher, investigados pela Polícia Civil foram presos.

De acordo com o delegado Luiz Eduardo Moura Gomes, o grupo roubou um caminhão carregado com sacas de café, avaliadas em R$ 100 mil, e tentou vender a carga. Desconfiado da procedência, o comprador recuou, mas os criminosos o obrigaram a fazer a transação, inclusive assinando cheques, sob a mira de uma arma.

Um dos suspeitos já trabalhou na fazenda do proprietário do café. Pela dificuldade em vender o caminhão, eles tentaram obrigar a vítima a pagar R$ 10 mil por ele. As vítimas da quadrilha continuaram sendo ameaçadas depois da compra forçada e decidiram procurar a polícia.

Segundo o delegado, os policiais foram até a fazenda do comprador para garantir a segurança dele. A vítima foi até o banco sacar mais dinheiro para pagamento das sacas acompanhado dos policiais. Na volta, dois autores tentaram entrar na fazenda, mas encontraram alguns policiais que ficaram no local. O suspeito que estava na garupa pulou da moto. O condutor Lionaldo colocou a mão na cintura e ameaçou sacar uma arma. A polícia revidou e disparou contra o pneu do veículo. O tiro acertou a perna de Lionaldo, que perdeu o controle e caiu.

Todos os envolvidos já estão presos por extorsão, com exceção apenas de Lionaldo que está internado sob escolta por causa do tiro. Um deles estava de saída temporária de sete dias. O inquérito sobre o roubo ainda está em aberto.

Rádio Cidade Caratinga