Guia Manhuaçu

Polícia

31/01/2018

Notas falsas de 20 reais em Espera Feliz, Manhuaçu e Simonésia

REDAÇÃO - Mãe e filho foram presos em Espera Feliz por causa de notas falsas de 20 reais.

Na sexta-feira, a Polícia Militar foi acionada depois que a mulher Vilma Catheringer da Silva estava passando cédulas falsas de 20 reais numa loja de roupas. A equipe foi ao local e fez a prisão imediata.

Vilma contou aos policiais que o filho dela, Gérson Catheringer, havia adquirido certa quantidade de notas falsas enviadas através do serviço dos Correios.

Gérson foi preso em flagrante e confirmou que havia adquirido R$ 2.000,00 de cédulas falsas de R$ 20,00 pela internet (Facebook) pagando o valor de R$ 400,00, porém havia recebido R$ 1.000,00.

Ele alegou que, ao tomar conhecimento da prisão de sua mãe, rasgou o restante das notas.

Mãe e filho foram encaminhados para a delegacia da Polícia Federal em Governador Valadares.

MANHUAÇU 

Três ocorrências com cédulas falsas de 20 reais foram registradas em Manhuaçu e Simonésia entre sexta-feira e sábado, 27/01.

Em Manhuaçu, na sexta-feira, no terminal rodoviário, um aposentado de 79 anos comprou alguns picolés de um rapaz jovem e pagou com uma cédula de 50 reais.  Recebeu duas notas de 20 e uma de 5 como troco.

Mais tarde, ao pagar uma conta num comércio, ao utilizar as notas de vinte reais, o balconista alertou que uma delas era falsa.

No final da tarde sexta-feira, no posto de combustíveis da avenida Tancredo Neves, outra nota de vinte reais falsa.

O frentista relatou que chegou um casal em uma motocicleta preta Honda CG 125 placa HKM-3960 e pediu para abastecer R$20,00 de gasolina.

Após o abastecimento a autora que estava de bermuda laranja e camisa branca listrada realizou o pagamento com uma nota de R$20,00 que estava dobrada. Quando o frentista abriu a nota, percebendo que se tratava de uma falsificação, os autores saíram em alta velocidade.

SIMONÉSIA

Na tarde de sábado, por volta de 15 horas, foi registrada a terceira ocorrência.

Um jovem de 17 anos passava pela avenida Getúlio Vargas com um carrinho de picolé quando parou um carro de cor preta, com quatro ocupantes.

O carona pediu quatro picolés e pagou com uma cédula de 20 reais. Em seguida, saíram.

Ao observar a cédula com as outras que possuía, o vendedor de picolé percebeu que era falsa. Ele acionou a Polícia Militar, mas infelizmente não sabia mais detalhes dos autores.

Carlos Henrique Cruz - carlos@portalcaparao.com.br