Guia Manhuaçu

A Cidade

Manhuaçu é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2013 era de 84 934 habitantes, segundo o IBGE.

Origem do nome

O nome “Manhuaçu” é originado da palavra indígena mayguaçu, que significa rio grande, numa designação dos índios “Puris”, os primeiros habitantes, ao rio local. No início de Século XVIII, o bandeirante taubateano Pedro Bueno Cacunda estabeleceu em Itapemirim no litoral da Capitania do Espírito Santo. Nesta época não existiam as atuais divisas, só acertadas em 1800. Dessa forma o Bandeirante povoou e explorou ouro em Castelo, Guandu e Manhuaçu onde relatou em suas 3 cartas ao Rei de Portugal de 1734 suas experiências e explorações, descrevendo uma grande nação denominada “Puris” que assenhorava o Rio Manhuaçu. A aldeia dos Puris era onde hoje é a atual cidade de Manhuaçu.

História

Manhuaçu, o maior polo industrial da região, começou sua história por volta do século XIX, quando Domingos Fernandes Lana juntamente com os índios Tupi, então habitantes da região, estabeleceu o comércio da ipecacuanha, uma erva medicinal. Logo após o guarda-mor Luiz Nunes de Carvalho e o alferes José Rodrigues de Siqueira Bueno, vindos de Ponte Nova e Abre Campo, criaram as primeiras propriedades agrícolas da região.

Entre1860 e 1874 imigrantes suíços, alemães e franceses começaram a chegar dando continuidade ao desenvolvimento que hoje representa a grande potência industrial, principalmente na cultura cafeeira, de toda região da Zona da Mata Mineira.

A freguesia de Manhuaçu foi criada em 1875 e instituída em 1878, enquanto o município foi criado em 5 de novembro de 1877. Sua sede inicialmente foi em São Simão (hoje Simonésia) e transferida para a Vila de São Lourenço em 1881.

Em 1905, a produção cafeeira da Zona da Mata era significativa, sendo Carangola o maior produtor, com 1,5 milhão de arrobas. Contudo o Rio de Janeiro ainda era o maior produtor nacional, até que a hegemonia fluminense entrou em decadência e foi superada por São Paulo, que antes estava atrás de Minas Gerais. Entre os anos de 1880 e 1930, o café ganhou força na região mineira, foi nesse período em que se desenvolveu a produção de Manhuaçu.

De acordo com estudantes do curso de História da UEMG em Carangola, no ano de 1896, a disputa pelo poder local entre dois coronéis, Serafim Tibúrcio da Costa e Frederico Antônio Dolabela, teria provocado consequências negativas na economia.

Após perder as eleições de modo considerado fraudulento, o Coronel Serafim Tibúrcio e seu companheiro Coronel Antônio de Miranda Sette pegaram em armas, proclamando a República de Manhuaçu, inclusive emitindo títulos de crédito em nome da Fábrica de Pilação de Café e nomeando autoridades. A polícia estadual não conseguiu superar os coronéis Tibúrcio e Antônio de Miranda e seus homens. Com o apoio das forças federais, o levante foi derrubado e os revoltosos fugiram pelo vale do Manhuaçu, fundando pequenos povoados como Alegria de Simonésia e até alguns no Estado do Espírito Santo.

Apesar das disputas políticas e dificuldades, no final do século XIX e início do XX, a população de Manhuaçu já dispunha do jornal O Manhuaçu (criado em 1890), da Estrada de Ferro Leopoldina (1915), da Companhia Força e Luz de Manhuaçu (1918) e do Banco Hipotecário e Agrícola de Minas Gerais (1920). Ainda hoje, vários casarões dessa fase estão de pé e abrigam famílias, empresas e entidades, no trecho antigo da cidade.

Durante o último século famílias italianas e das comunidades árabes se mudaram para Manhuaçu, ampliando a diversidade iniciada com a vinda de suíços, franceses e alemães.

O grande problema desta pesquisa é que não existe uma moeda verdadeira(material) que comprove que realmente existiu. Segundo o historiador ela foi destruída. Não tem nada que comprove cientificamente a relevância deste material. E foram histórias contadas por pessoas que já faleceram. Fica a dúvida se realmente houve essa história na cidade de Manhuaçu. Por isso não teve interesse em publicação em larga escala.

Existem monografias na biblioteca da Fundação FAFILE de Carangola, onde os estudantes do curso de História relatam o fato.

Emancipado em 5 de novembro 1877, Manhuaçu só passou à condição de cidade alguns anos depois. Nesse período, perdeu uma área territorial que originou mais de 70 municípios da porção leste do estado de Minas Gerais. O primeiro distrito a se emancipar foi Caratinga, em 1890, e os últimos, Reduto e Luisburgo, em 1995. Hoje o município tem 622 km² e continua sendo o maior da microrregião, além de ser polo-econômico, de prestação de serviços e oferecer a melhor infraestrutura hoteleira para turismo da região Vertente do Caparaó. Atualmente, além da sede, os distritos são: Dom Correia, São Sebastião do Sacramento, Vila Nova, Realeza, Ponte do Silva, São Pedro do Avaí, Palmeiras do Manhuaçu e Santo Amaro de Minas, com as vilas de Palmeirinhas, Bom Jesus de Realeza.

Manhuaçu se destaca com suas reservas naturais de imensa beleza, repletas de cachoeiras, montanhas e matas atraindo visitantes de todo território nacional.

O turismo ecológico e histórico de Manhuaçu vem se destacando a cada ano. Novos empreendimentos na área trazem de todo mundo, turistas amantes das arquiteturas de vários estilos e belezas naturais que se destacam. Confecções em madeiras recicláveis, palha, linhas e tecidos, bordados e crochê, marcas, cestarias, cristais, quadros, bolsas e instrumentos musicais rústicos como atabaque e berimbau. A Apicultura tem papel fundamental no desenvolvimento do Agro Turismo.

Cidade de muita fé com grandes episódios religiosos, possui duas matriz a de São Lourenço, no centro e a Matriz do Bom Pastor localizado na Baixada, ambas as duas passaram por grandes reformas para preservação de suas crenças e peregrinações.

A cidade possui festas religiosas de grande destaque, como a tradicional procissão de Corpus Christi e a festa de São Lourenço, onde se comemora o padroeiro da cidade. Os visitantes de Manhuaçu se encantam com toda sua estrutura turística e principalmente com a arte da culinária local.

Assista o vídeo abaixo e conheça mais sobre a história da nossa cidade!